“Temos que levantar a futura organizaçom de massas do independentismo”, afirma Quique Torres do Dia da Galiza Combatente


Neste sábado 40 pessoas concentramo-nos no outeiro de Santa Susana, na Alameda de Compostela, para celebrarmos o Dia da Galiza Combatente. Por se tratar da primeira vez que o convocava Causa Galiza, foi dedicado aos militantes do EGPGC Lola Castro Lamas Mariana e Jose Vilar Regueiro Marcos, caíd@s em 1990 num operativo do Exército Guerrilheiro contra os negócios do narcotráfico na Galiza. O ato decorreu sob vigiláncia policial.

Sob céu encapotado, intervírom o historiador argentino Lisandro Cañón, que explicou a celebraçom no lugar da assembleia irmandinha que decidiu em 1467 o assalto ao Castelo da Rocha Forte; o ex militante da UPG Xesús Sanxoás, que participou em 1968 em Santa Susana no primeiro do Dia da Pátria convocado desde a clandestinidade e o militante histórico e co-fundador do EGPGC Antom Árias Curto, que falou sobre as figuras de Lola Castro e Jose Vilar e a luita independentista a finais da década 80 e primeiros anos da de 90.

 

Discurso

 

Encerrou o ato o nosso companheiro e porta-voz nacional de Causa Galiza, Henrique Torres, que, para além de situar historicamente as figuras d@s militantes homenagead@s, colocou reptos ao compromisso patriótico hoje, incidindo na necessidade de “valorizar e interiorizar” as décadas de oposiçom ativa ao regime que mantivo o independentismo galego e o avanço que supujo a assunçom formal no campo nacionalista da ideia de que o nosso projeto nacional apenas é viável através da constituiçom dum Estado próprio independente de Espanha.

 

A comunicaçom de Causa Galiza neste 11-O fijo alusom especial ao endurecimento repressivo acontecido nas últimas semanas, assinalando Quique Torres “o encarceramento do militante independentista galego Raul Agulheiro” como umha das máximas expressons deste, assim como a “pingueira constante de cargas policiais, detençons, juízos, campanhas mediáticas” que enfrentam os sectores do povo galego contrários ao projeto espanhol de “pauperizaçom maciça e assimilaçom”.

 

Construir o projeto político

 

Aliás, Torres apelou “à vossa confiança e à vossa legitimaçom” para construir um projeto político nacional, empregando “a habilidade, a mao esquerda e a paciência suficiente”, e dotando o nosso povo dumha referência “de dignidade e firmeza, um exemplo dessa autenticidade que nos legárom homes e mulheres que hoje já nom estám com nós”, em alusom a Pepe Reboiras, José Manuel Sanmartim Bouça Martinho e @s militantes homenagead@s.

 

Pode-se olhar aqui o discurso completo.

 

Anexamos também a reportagem fotográfica cuja confeiçom agradecemos a GZ Contrainfo