Causa Galiza recupera a sua condiçom de organizaçom política legal após um ano de denúncia e solidariedades

 

Causa Galiza recupera a condiçom de organizaçom política legal a todos os efeitos. A decisom adota-a o juíz da Audiencia Nacional Eloy Velasco Núñez, que em outubro de 2015 decretara a “suspensom de atividades” da formaçom independentista. O auto de Velasco supom a plena rehabilitaçom legal da Organizaçom e a desmontagem parcial do operativo político, policial,mediático e judicial que derivou na sua ilegalizaçom de facto após tipificá-la como parte dum “entramado terrorista”.

A devoluçom do estátus legal delata a inconsistência da Operación Jaro e evidencia que o objetivo desta era anular o independentismo organizado, satanizar esta posiçom quando está aberto o debate sobre o estátus político da naçom galega e extender o medo à repressom. Lembramos que a pratica totalidade de meios e o Delegado del Gobierno de España, Sr. Santiago Villanueva, repetiram no seu dia a nota de Interior que nos acusava de ser o “braço político” dumha organizaçom armada. A sua indignidade exibe-se agora de maneira notória com autos do seu próprio sistema judicial.

Processo continua

Paradoxalmente, a Audiencia Nacional mantém em pé as graves imputaçons penais impostas a nove militantes da Organizaçom detidas pola Guardia Civil aos que se investiga por “integraçom em organizaçom armada” e “enaltecimento do terrorismo” a partir dum fundamento provatório ridículo. A continuidade das acusaçons fai com que, embora Causa Galiza recuperar o estátus legal, as independentistas investigadas continuem a campanha de denúncia do processo repressivo de que som alvo.

Seria pura especulaçom fixar quais fôrom as causas últimas desta viragem produzida no processo judicial iniciado com as detençons de nove das e dos nossos militantes. Temos a conviçom no entanto de que em última instáncia obedecem a cálculos políticos da estratégia repressiva do Estado espanhol contra o movimento independentista galego que evitaremos valorizar aqui. Só queremos destacar que o processo pujo a nu, mais umha vez, a inexistência dum marco real de liberdades democrático-formais no regime espanhol.

Agradecimentos

Nesta primeira comunicaçom de urgência que acompanha o retorno à legalidade, queremos destacar a persistente campanha de denúncia da ilegalizaçom e o processo judicial que pugérom em andamento dezenas de militantes independentistas. Se pretendiam esmagar e liquidar o independentismo politicamente organizado através dum golpe policial, parece evidente que nom o lográrom, mas sim conseguírom desvelar a autêntica natureza antidemocrática e autoritária do regime pós franquista de 1978 e afortalar o músculo independentista.

Causa Galiza quere assinalar também a importáncia que nestes 14 meses de denúncia e mobilizaçom tivo a resposta dada polosagentes sociais, sindicais e políticos do País, com umha combinatória permanente de trabalho informativo, mobilizaçom, iniciativas institucionais, etc. que logrou romper o cinturom sanitário da repressom e impossibilitou que o Estado invisibilizasse a operaçom policial e judicial.