Causa Galiza inicia umha nova fase definida pola intervençom na rua, a incorporaçom de nova militáncia e a atualizaçom do projeto político

 

Causa Galiza celebrou nesta fim-de-semana em Compostela a primeira Assembleia Nacional após a recuperaçom do estatuto de organizaçom política legal. O encontro da militáncia aprovou a folha de rota para 2017, que se centra em três reptos imediatos: reconstruir e afortalar a Organizaçom, iniciar umha dinámica sustentável de intervençom social e política e, por último, incorporar militáncia e iniciar um processo de debate e atualizaçom estratégica do projeto independentista.

A respeito da posta a ponto organizativa, o documento aprovado determina, para a atual “etapa de transiçom”, que durará aproximadamente 12 meses, a constituiçom de seis Áreas de Trabalho abertas à militáncia: Comunicaçom e Propaganda, Feminismo, Mocidade, Dinamizaçom Social e Construçom Nacional, Formaçom e Finanças. Estas áreas integrarám-se num Comité Executivo, que pilotará a Organizaçom até a Assembleia Extraordinária.


Reativar a intervençom
independentista na rua


Repto fundamental da nova fase é a rutura com esquemas e práticas auto-referenciais e endogámicas. Assim, a Assembleia Nacional deitou na nova direçom a responsabilidade de fazer um seguimento continuado da atualidade social e política do País e implementar linhas de atuaçom que situem o independentismo organizado como fator da conflituosidade social e política diária, dando a cara na defesa do País e oferecendo alternativas sólidas e viáveis.


Interlocuçom com as bases independentistas


A posta a ponto do projeto político independentista é o terceiro repto da Assembleia Nacional. Assim, o Comité Executivo submeterá à consideraçom da filiaçom o desenho dum processo participativo rumado a atualizar a diagnose da situaçom nacional e internacional, clarificar os objetivos e alternativas estratégicas do independentismo e perfilar estratégia, tática e linhas de intervençom setoriais frente às problemáticas e reptos da Galiza.

Além do aspeto teórico e estratégico, Causa Galiza inicia desde agora um processo de interlocuçom com as bases sociológicas do independentismo galego e incorporaçom de nova filiaçom para engrossar e renovar a massa crítica que impulsionará o citado processo de debate e ativará, progressivamente, a nossa intervençom municipal e setorial.